Vivemos entre a turma do tudo e a turma do nada

Última atualização: 3 de janeiro de 2024
Tempo de leitura: 5 min

Sim, estamos falando sobre polarização: social, política, econômica, educacional ou comportamental. Vivemos em uma sociedade dividida entre aqueles que têm tudo – riqueza, oportunidades, privilégios – e aqueles que têm pouco ou nada: recursos financeiros, oportunidades ou que são marginalizados. São a turma do tudo e a turma do nada.

Por exemplo, a ‘turma do tudo’ pode ser vista como otimista, sempre buscando mais, enquanto a ‘turma do nada’ pode ser mais resignada ou pessimista. Em debates ou discussões, a frase pode representar a existência de opiniões extremas, onde um lado quer tudo de uma certa maneira e o outro lado rejeita completamente essa opção. É a faísca para iniciar discussões sobre como diferentes grupos veem o mundo e suas expectativas.

Em contextos educacionais, é preciso falar sobre a importância da empatia, do entendimento mútuo e da busca por soluções equilibradas que considerem diferentes perspectivas. Individualmente, pode inspirar reflexão sobre onde nos posicionamos entre esses extremos e como nossas atitudes e ações podem contribuir para um equilíbrio mais saudável. Em situações de conflito, destacamos a possibilidade de encontrar um meio-termo ou uma solução de compromisso entre partes polarizadas. Mas aí somos tachados de fracos, sem opinião ou em cima do muro. Parece que não é bem aceito ser razoável. Na era da certeza, hesitar ou refletir é colocar-se em um território a ser apedrejado por ambos os lados.

Pode também indicar a disparidade no acesso à informação, onde algumas pessoas (‘a turma do tudo’) têm acesso a recursos abundantes, cuja dificuldade está no tempo para absorver e entender o que está disponível, enquanto outras (‘a turma do nada’) têm acesso limitado, são excluídas do discurso dominante ou mesmo enganadas. Nossa tendência é agrupar-nos em comunidades online que reforçam nossas próprias crenças e opiniões, criando uma divisão entre aqueles que estão totalmente imersos em uma perspectiva (tudo) e aqueles que estão fora dela (nada).

É importante destacar a importância do jornalismo equilibrado e imparcial, que busca apresentar múltiplas perspectivas em vez de se alinhar com um extremo ou outro. Programas de alfabetização midiática nos ensinam a importância de procurar fontes diversificadas e evitar ficar presos em uma única perspectiva.

Paradoxalmente, a ‘turma do tudo’ pode representar as minorias barulhentas, grupos ou indivíduos que, apesar de serem numericamente menores, têm uma presença muito forte e influente na mídia e nas redes sociais. Eles são frequentemente mais vocais, ativos e visíveis em suas opiniões e campanhas. Podem moldar significativamente a percepção pública sobre certos tópicos, criando a impressão de que suas opiniões são mais prevalentes ou amplamente aceitas do que realmente são.

A ‘turma do nada’ pode ser vista como a maioria silenciosa, que, embora possa compor a maior parte da população, tem uma presença menos visível e audível. As opiniões e perspectivas dessa maioria muitas vezes não são tão amplamente divulgadas ou reconhecidas, o que pode levar a um entendimento distorcido ou incompleto dos sentimentos e atitudes gerais da sociedade. Para comunicadores e formadores de opinião, o desafio é alcançar e representar adequadamente essa maioria silenciosa, garantindo espaço adequado para suas vozes e preocupações.

A aplicação da frase ‘vivemos entre a turma do tudo e a turma do nada’ nas escolhas eleitorais é bastante reveladora. É crucial para os candidatos, partidos e analistas políticos não confundirem a visibilidade e o barulho das minorias com o consenso geral do eleitorado. Estratégias de campanha devem engajar a maioria silenciosa, entendendo suas preocupações e preferências, para não serem pegos de surpresa, e questionarem os resultados das urnas.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é box360-logo.webp

Conheça o BOX360º – Uma nova experiência em análise de dados

Leia mais:

Growth Marketing: a tendência que não sai de moda

Compartilhe:

Marcelo Molnar

Sobre o autor

Marcelo Molnar é sócio-diretor da Boxnet. Trabalhou mais de 18 anos no mercado da TI, atuando nas áreas comercial e marketing. Diretor de conteúdo em diversos projetos de transferência de conhecimento na área da publicidade. Consultor Estratégico de Marketing e Comunicação. Coautor do livro "O Segredo de Ebbinghaus". Criador do conceito ICHM (Índice de Conexão Humana das Marcas) para mensuração do valor das marcas a partir de relações emocionais. Sócio Fundador da Todo Ouvidos, empresa especializada em monitoramento e análises nas redes sociais.

Posts relacionados
Cookies de Terceiros:...

Nos dias de hoje, a internet é um vasto ecossistema onde informações fluem...

Leia mais >
Employer Branding:...

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e globalizado, as empresas...

Leia mais >

Entre em contato

Descubra como a sua empresa pode ser mais analítica.